Estamos a deixar o Atlântico norte sem peixes comestíveis

Esta ilustração mostra a concentração de atum, bacalhau, arinca, pescada, linguado, arenque, cavala, badejo, salmão, truta, robalo, esturjão e rodovalho em toneladas por quilómetro cúbico no Atlântico norte em 1900 e em 2000.

Não quer dizer que não continue a haver peixes de todas estas espécies no Atlântico norte, mas que a sua concentração baixou para valores abaixo das 3 toneladas por quilómetro cúbico, que é um valor critico.

Os dados são de um estudo intitulado Hundred-year decline of North Atlantic predatory fishes [PDF 1,4 MB] que foi mencionado no recente European Fish Week, embora o referido estudo seja datado de 2003.

mapa peixe disponível atlântico norte

Dá que pensar…

(Information is Beautiful via TYWKIWDBI e Neatorama).

Deixe o seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Os cookies ajudam-nos a fornecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a utilização de cookies. Saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close