Estamos a deixar o Atlântico norte sem peixes comestíveis

Esta ilustração mostra a concentração de atum, bacalhau, arinca, pescada, linguado, arenque, cavala, badejo, salmão, truta, robalo, esturjão e rodovalho em toneladas por quilómetro cúbico no Atlântico norte em 1900 e em 2000.

Não quer dizer que não continue a haver peixes de todas estas espécies no Atlântico norte, mas que a sua concentração baixou para valores abaixo das 3 toneladas por quilómetro cúbico, que é um valor critico.

Os dados são de um estudo intitulado Hundred-year decline of North Atlantic predatory fishes [PDF 1,4 MB] que foi mencionado no recente European Fish Week, embora o referido estudo seja datado de 2003.

mapa peixe disponível atlântico norte

Dá que pensar…

(Information is Beautiful via TYWKIWDBI e Neatorama).

Deixe o seu comentário